Hot Water Music no Brasil! Não é microfonia é HC mesmo!

Resenha Bullet Bane – Continental
1 de Janeiro de 2018
Resenha: Francisco El Hombre no Circo Voador! Um Carnaval fora de época!
14 de Janeiro de 2018

Hot Water Music no Brasil! Não é microfonia é HC mesmo!

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Depois de décadas de espera, a banda finalmente se apresentou em terras tupiniquins!

Não foi simplesmente um show, foi uma verdadeira troca de experiências. Os músicos do Hot Water Music vieram com uma bagagem bem grande (8 discos e milhares de shows pelo mundo), assim fizeram um dos mais memoráveis shows de 2017. Colocando muito suor e muita vontade, receberam do público o dobro ou mais.

A abertura ficou por conta da banda Racquet Club, grupo de Los Angeles formada por membros das bandas Knapsack, The Jealous Sound e Samiam. A apresentação começou meio acanhada (com ares de primeiro encontro), mas como boa música não tem idioma, aos poucos a participação do público revelou a verdadeira faceta dos músicos. Uma banda enérgica e que soma toda a experiência de seus integrantes. Apesar das poucas palavras, os músicos interagiram bem com a plateia.

Junto à vontade de fazer um bom show, vieram os aplausos e o compromisso do público! Era visível a empolgação e o respeito, tanto da galera quanto da banda. Um prato cheio para a abertura de um dos shows mais emblemáticos que estava por vir.

Nem um segundo de silêncio, essa foi a exata definição do show! Ao entrar no palco, os músicos do Hot Water Music levaram o público ao delírio, e assim seguiu em todos os instantes.

Para compensar a espera, o show foi extenso e bem dinâmico (poderia durar umas 30 horas que ninguém sairia do Carioca Club). Dentre seus 8 discos, a banda já passou por várias fases e fez um público cativo em cada uma delas, trazendo pessoas de diversas gerações e fazendo um dos show mais democráticos do ano. A energia foi intensa, a cada passagem de música, as guitarras faziam o som ambiente de um show de HC e mesmo quando o Chuck Ragan (vocalista) entrou em um momento solo (voz e violão), não houve silêncio! O coral era forte, as vozes se multiplicavam em cada refrão, as palmas não cessavam a cada passagem e o movimento foi plural.

A falta de Chris Wollard (ausênte por motivos de saúde) não impediu que os maiores sucessos fossem executados com maestria. Chris DeMakes (Less Than Jake) deu suporte a banda e deixou claro que estava emocionado de estar responsável por substituir Wollard. Na mais emblemática música onde o vocal foi assumido por Chris DeMakes, o músico pediu ao público para o acompanhar e prometeu dar o melhor de si para representar seu amigo e quando deu os primeiros acordes de “Trusty Chords” todos foram a loucura. Claramente 3 gerações distintas de fãs se uniram em um só coro e fizeram deste momento único e delirante.

Com a promessa de voltar mais vezes, Chuck Ragan se despediu da plateia, deixando claro que ali preenchia uma lacuna que nem ele tinha noção que existia. O show foi emocionante para o público e para os músicos. Certamente novas apresentações estão por vir e nós só podemos agradecer aos envolvidos por fechar o ano de 2017 com esse baita presente.

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *